Oficina de Morar

Os lares, em especial, são espaços onde as pessoas devem se sentir acolhidas e amparadas. E projetar ambientes que sirvam de cenário para esses sentimentos é um dos maiores desafios no universo de quem cria. Essa é a missão de Greicy Kelly, que aposta na arquitetura afetiva, entregando projetos que traduzem a singularidade de cada cliente para que eles se sintam genuinamente representados em seu íntimo. Além da arquiteta, outras quatro colaboradoras reforçam o time da Oficina de Morar, o escritório que já soma mais de dez anos de história em Jaraguá do Sul — são mais duas arquitetas, uma designer de interiores e uma técnica em edificações garantindo qualidade e agilidade nos processos. A formação em arquitetura e urbanismo na UNERJ, em 2011, e a especialização em Design de Interiores e Iluminação no Cesulbra, em 2013, somaram ainda mais conhecimento na bagagem da profissional, que antes mesmo de entrar para a faculdade já atuava no mercado. A prioridade é estabelecer vínculo com o cliente, procurado conhecer a fundo seu modo de vida para isso ser aplicado verdadeiramente no projeto — um estilo de trabalho afetivo que se estende à atuação do escritório nas redes sociais. “Também temos forte presença na internet. Sempre contamos uma história de todo o processo, começando com o fato de nomearmos todas as nossas obras carinhosamente, como, por exemplo: #ApêGatos e #CasaDaPortaAzul.” Para os próximos anos, entre tantas metas, ao menos de uma a arquiteta não abre mão: a de manter os princípios de sempre desenvolver projetos de arquitetura de interiores afetiva, com atendimento humanizado, que transforme projetos detalhados em obras fluidas e clientes em amigos.