Orquestra de cores, por Ponto Curva

A curadoria de tons contrastantes, como o azul e o verde, é um dos destaques da residência que reúne as paixões, os estilos e a essência de pai e filho em Florianópolis.

Um dos princípios artísticos que cercam os ambientes projetados, o contraste nasce da aliança entre dois ou mais elementos distintos como texturas, estilos, linhas e o mais famoso: o contraste de cores. Na arquitetura e no design de interiores, a premissa pode intensificar uma informação, quebrar uma continuidade visual ou equilibrar uma proposta para que não se torne monótona ou caótica. No círculo cromático, as cores complementares são comumente utilizadas para exercer esse contraste, como os azuis, os verdes e as nuances de laranjas.

Foto: Mariana Boro

No projeto em Jurerê Internacional, a perfeita união de elementos opostos prevelace: peças antigas, resgatadas do acervo dos clientes, aliadas a uma movelaria contemporânea, cores vibrantes em uma base neutra, revestimentos lisos à beleza da brutalidade. Assinada por Francielle Dalsasso e Sarah Pirath Abrahão, do Ponto Curva Arquitetura, a residência de cerca de 420 metros quadrados, projetada para pai e filho une universos — como a paixão de ambos por motos, as viagens pelo mundo feitas pela dupla e a personalidade do filho ligado a design, tecnologia e games.

Foto: Mariana Boro

Somando a isso, peças de design assinado enriquecem a composição. “O que orientou a escolha do mobiliário novo foi o conforto, qualidade e praticidade”, comentam as arquitetas que elegeram a chaise Pitu em lona off-white, de Aristeu Pires, para a frente da lareira em concreto bruto, que futuramente irá expor uma motocicleta Harley Davidson.

Foto: Mariana Boro

Como um grande volume que delimita o living, o painel da televisão foi desenvolvido em lâmina natural de madeira catuaba. Os estofados foram pensados com estratégia para que a área social não ficasse dividida, elegendo o sofá modular e os pufes Clip, da Collab Studio. O sofá cinza claro é grandioso e seu layout pode ser modificado para auxiliar na interação dos clientes e seus convidados. Já o sofá Premura em couro caramelo, da Natuzzi Editions, foi escolhido para adicionar toques despojados, além de ser resistente. Em azul, que é a cor preferida do cliente, o tapete em formato orgânico setoriza com maestria os espaços.

Foto: Mariana Boro

O estado bruto da lareira não estava inicialmente no projeto, mas quando os profissionais da obra retiraram o revestimento, o cliente gostou da aparência rústica do concreto e ela permaneceu. A chaise Pitu em lona off-white, assinada pelo ícone Aristeu Pires, compõe a área social com outros itens nacionais, como a mesa de jantar Thae e as cadeiras Rio, de Luan del Savio, na sala de jantar.

Pontos-chave
• Pitadas de azul abraçam o cenário sóbrio da cozinha, onde a estante modular Home System da Cinex, em estrutura metálica e prateleiras em vidro, protagoniza. “Ela funciona como uma divisória entre a escada e a sala de jantar e serve como pano de fundo carregando com muita leveza as memórias e plantinhas na decoração”, afirmam Francielle e Sarah.
• O design limpo do mobiliário bebe da fonte do minimalismo, como enaltecem os traços da mesa Thae e das cadeiras Rio em palhinha natural, assinadas por Luan Del Savio.
• As bancadas em corian possuem fundo branco e rajadas em cinza, escolhidas para se aliarem ao visual do piso em Pietra Lombarda Off-White, da Portobello Shop.

A simetria dos elementos causam um conforto estético e físico no living, que recebeu um cantinho para as leituras — um dos espaços favoritos das arquitetas. A poltrona verde, que foi reformada durante o projeto, e o quadro já pertencia ao cliente, assinado por Willy Zumblick e apelidado de “o rabino” pelas profissionais, formam o espaço aconchegante. O painel em lâmina de madeira catuaba aquece o ambiente e “as emendas foram milimetricamente paginadas com negativos bem fininhos, criando um ritmo interessante nos veios da madeira”, compartilham as profissionais.

O armário superior em branco, mimetizado com as paredes, foi uma das principais alterações da cozinha — pois foi necessário alterar a janela para incluí-lo e, assim, ampliar o espaço de armazenamento. As banquetas Thae, de Luan Del Savio, complementam a bancada e foram estofadas em couro preto por causa da resistência e da durabilidade do material.

Resumido como precioso pelas arquitetas, o tom de verde do home office nasceu de vários testes de cores, inspirando à criação e preenchendo tanto a marcenaria planejada, quando as paredes do espaço. O ambiente pode ser utilizado como quarto também, pois uma cama com gavetões foi inserida para a funcionalidade. O quadro pertencia ao acervo do proprietário, uma tapeçaria que casou com o tom de couro caramelo da cadeira Grão, assinada pela designer Rejane Carvalho Leite.

Na suíte master, o único pedido do empresário foi a cama em estilo japonesa. A cabeceira estofada possui cinco metros de comprimento e as bordas da cama extrapolam o colchão.

Foto: Mariana Boro

Para o fechamento do closet, a palhinha indiana trouxe uma mistura de modernidade com a essência e sensibilidade do elemento natural. Em couro e capitonê, a poltrona Musa Vintage, assinada por Marcelo Ligieri, transmite excelência e conforto para o refúgio do cliente.

Foto: Mariana Boro

A rusticidade é uma das tônicas da área gourmet e nasce da madeira de demolição canelada, utilizada nas mesas e nos bancos, do piso em tom escuro e dos elementos que dialogam com essa atmosfera, como o fogão a lenha. Para comemorar com um bom churrasco, a solicitação principal foi aliar churrasqueira e parrilla uruguaia em um elemento só, o que foi atendido com sucesso no item com tijolinhos integrado a uma extensa bancada. Para o contraste da composição de tons terrosos, cadeiras de modelos diferentes em cor preta foram escolhidas para a descontração da área.

Foto: Mariana Boro

A suíte do filho de 22 anos surge através dos diferentes tons de cinza, que deixam o ambiente mais jovem e urbano. A proposta conta com uma extensa cabeceira em MDF que contracena com as paredes com efeito de cimento queimado — desenvolvido através de técnicas de pintura. O espaço é amplo e as profissionais adicionaram itens funcionais e personalizados, como os quadros da artista Mika Takahashi.

No quarto de hóspedes, elementos confortáveis e convidativos prevalecem, como a cabeceira amadeirada que deixa a composição mais sensível. O guarda-roupas foi personalizado para agregar eficiência no cotidiano de pai e filho: em MDF e chapa metálica perfurada, o elemento permite uma ventilação constante que protege as roupas e os equipamentos. O lado na cor grafite armazena as roupas e acessórios das aventuras com motocicletas, além dos casos pesados de inverno.

Foto: Mariana Boro

Detalhando
1. Como disseram Francielle e Sarah: “o legal da arquitetura e interiores são as conexões que a gente faz com a maneira de viver de cada um, e como isso se configura dentro de um espaço”. Como um hall da suíte master, esse ambiente carrega consigo as memórias do cliente, apaixonado por motos, viagens e pela cor azul. O tapete e a poltrona já pertenciam a ele, mas a última foi reformada e composta com o quadro assinado por Álvaro Bruno Barioni.

Foto: Mariana Boro

2. Na suíte master, o azul entra para quebrar a monotonia do branco. Aqui, a parede abriga um home office composto pela mesa de escrivaninha Deska, de Luan del Savio, e a cadeira Évora, da Bell Design.

Foto: Mariana Boro

3. Para se conectar com a proposta do home office, em verde intenso, o lavabo ganhou uma bancada solta em Granito Cinza Andorinha. O espelho arredondado adiciona dinamismo ao lado da luminária contemporânea e dos metais.

Foto: Mariana Boro

4. Os dois cachorros e a felina dos clientes terão muito espaço disponível na residência, seja nos ambientes internos ou no externos. A ventilação e iluminação natural são partes importantes do todo, tornando as áreas mais aconchegantes.

Foto: Mariana Boro

As criações e edições realizadas pela Supernova Editora
se enquadram na Lei nº 9.610/98 (Lei sobre direitos autorais),
portanto, possuem proteção contra plágios e cópias.
Assim é vedado ao terceiro a reprodução de obra sem prévia autorização,
sendo que a sua utilização sem a concessão enseja reparação civil.