Encontro de gerações

Revisitar e valorizar o passado não tão distante pode ser transformador na preservação da história da arquitetura. Nesta casa, os traços dos anos 90 se unem a uma atmosfera contemporânea pelas mãos de Thiago Mondini.

Foto: Eduardo Macarios

O que define um elemento como símbolo de uma época? Quanto tempo leva para uma tendência entrar para a história como marca de uma década ou uma geração? Entre os analistas há quem diga que o famoso “ciclo dos 20 anos” já proporciona o distanciamento necessário para estabelecer um objeto ou uma estética como parte de um movimento. Há quem defenda que três décadas são necessárias para ter uma perspectiva mais justa e, até mesmo, para as tendências retornarem para as passarelas, no caso da moda, assim como para os ambientes que habitamos, no caso da arquitetura e do design de interiores.

Foto: Eduardo Macarios

Ao assumir a reforma de um projeto, parte da missão de um arquiteto é compreender essa linha do tempo e antecipar movimentos. Foi essa a jornada de Thiago Mondini na concepção da proposta para esta casa: um imóvel construído nos anos 90, com arquitetura característica da época e bem executada. “É importante sabermos identificar e valorizar o estilo de cada período. O que hoje parece antigo ou ‘fora de moda’ é o que no futuro será visto como arquitetura de época e poderá ter um valor bem importante. Por isso, optei por não alterar em nada a estética externa, concentrando meus esforços na atualização da parte interna”, conta.
Além da preservação arquitetônica, Thiago revisitou no processo a questão da sustentabilidade. “O mercado ainda não aprendeu a valorizar intervenções mínimas, parecendo priorizar sempre transformações radicais. É preciso repensar urgentemente essa prática”.

Foto: Eduardo Macarios

Com ares contemporâneos, os espaços internos passaram por intervenções mais expressivas, como na área social, onde quatro salas foram integradas e houve a mudança da lareira. Entre a composição dos móveis, um dos destaques é o sofá de nove metros em veludo verde, o aparador alto, tipo cômoda, e o hipopótamo, que atua como um banco para quando as crianças forem sentar com os adultos. Os pufes redondos centrais são em couro italiano. Já a iluminação foi feita sem execução de rebaixo em gesso para preservar as características originais da casa.

Foto: Eduardo Macarios

PONTOS-CHAVE
• Na sala de jantar, duas mesas justapostas, com pés de vidro que chegam até o topo do tampo – criando a impressão de que o móvel flutua no centro do espaço. A superfície recebeu 12 cadeiras para que as reuniões entre família e amigos sejam marcadas pelo conforto.

Foto: Eduardo Macarios

• Longe de obviedades, a composição assimétrica da parede é o ponto focal da sala de jantar.
• Para agregar estilo ao ambiente, Thiago selecionou o buffet Thae, de Luan Del Savio, e a fotografia da australiana Nicole Wells, assim como as folhas de bananeira dentro de clindros de vidro.

Foto: Eduardo Macarios

• O projeto luminotécnico segue a linguagem contemporânea dos outros núcleos sociais, junto à lareira que passou por uma grande transformação na localização e na aparência.

Foto: Eduardo Macarios

Uma das intervenções mais importantes do projeto foi a mudança na lareira, que aquece os espaços, reúne a família e agrega charme ao cenário. O elemento foi repaginado com novos materiais e um papel central no layout: a partir de agora, está posicionada no centro da sala. A base da estrutura é revestida em mármore branco Paraná, da Michelangelo; já a parte superior foi feita em Pedra Flex, um revestimento de lâmina de pedra aplicada sobre fibra de vidro.

Foto: Eduardo Macarios

O conforto reina na sala íntima da família, com elementos atemporais, assim como texturas, cores e materiais que proporcionam um equilíbrio estético no cenário. Um dos destaques é o sofá em couro natural, que abraça os moradores graças às suas proporções. Já o painel ripado esconde duas portas: uma dá acesso ao cinema, outra à circulação dos quartos. Integradas, as salas se abrem para a área da piscina.

Foto: Eduardo Macarios

A cartela de cores do projeto é marcada por tonalidades terrosas, de amadeirados escuros a tons claros nas superfícies, nos armários e na cortina. O conjunto de materiais que a casa possuía foi usado como base para a escolha de cores e materiais do projeto de interiores, criando uma forte sensação de unidade.

Foto: Eduardo Macarios

A reformulação do layout, que estava defasado, passou pela cozinha, que ficava isolada dos outros ambientes da casa. O local foi unificado com uma antiga despensa e aberto para as salas de jantar e estar íntimo, compondo uma grande “sala da família”.

Foto: Eduardo Macarios

A ressignificação desse espaço nas últimas décadas conferiu a ele funções que vão além da preparação de alimentos: agora, a cozinha é lugar de encontro e troca. Por isso, os elementos que a compõem foram selecionados a dedo, como móveis em microtextura verde e cinza e bancadas em quartzito escovado.

Foto: Eduardo Macarios

Feita especialmente para a apreciação da sétima arte, a pedido dos moradores, a sala de cinema é revestida com placas de absorção acústica protegidas por uma treliça de MDF preto. O espaço, que costumava ser uma suíte, pode ser integrado à sala da família através da grande porta de correr. A estrutura de madeira no teto e as cortinas arrojadas criam um cenário autêntico, que inspira o bem viver.

Foto: Eduardo Macarios

Tecnológica e autêntica, a sala de jogos conta com painéis em alto brilho intercalados com neon de LED. “Busquei um efeito bem ‘cassino’ nesta sala, que fica escondida depois da garagem”, conta Thiago. A mesa de poker, que recebe até 10 pessoas, foi feita personalizada especialmente para o cliente.

Foto: Eduardo Macarios

A bancada do bar é em mármore Napoleon Bordeaux e a movelaria foi pintada na mesma cor da pedra. Arrematando a composição, a parede foi revestida com papel de parede de mica, contrastando com os pratos da Greghi Design, com desenhos de Sônia Menna Barreto.

Foto: Eduardo Macarios

A contemporaneidade invade também os ambientes íntimos. Na cabeceira da suíte principal há uma sobreposição de volumes e texturas, com painéis ripado e acolchoado e revestimento em veludo, aliando conforto e estilo à composição.

Foto: Eduardo Macarios

Já o quarto da menina foi emoldurado como uma “casinha”, que reúne todas as atividades do quarto (cama, escrivaninha e armazenamento) com uma estética lúdica, além de um tapete geométrico que lembra os detalhes do dormitório.

Foto: Eduardo Macarios

O contexto de isolamento fez com que os moradores se mudassem ainda durante a obra. Um dos principais motivos foi a grande área externa, com piscina, que recebeu novos revestimentos, e uma suíte de hóspedes completamente isolada da casa. “Criamos um gazebo para a área da piscina a fim de acomodar a academia, além de alterarmos a parte interna da estrutura para criar níveis diferentes”, explica Thiago.

Foto: Eduardo Macarios

DETALHANDO
1. Assimétrica, a parede da sala de jantar expressa a identidade do projeto com painel ripado, o buffet Thae, de Luan Del Savio, a obra da fotógrafa Nicole Wells e as folhas de bananeiras em uma composição feita com cilindros de vidro.

Foto: Eduardo Macarios

2. A coifa, com desenho exclusivo elaborado pelo escritório, foi executada sob medida. As bancadas são em quartzito, material nacional altamente resistente. Já a estrutura em madeira que sustenta o telhado é original da casa.

Foto: Eduardo Macarios

3. O lavabo da sala de jogos, com parede vermelha bem intensa e bancada em mármore Nero, segue a unidade visual do espaço de lazer, com tonalidades fortes e um espelho geométrico que arremata a composição.

Foto: Eduardo Macarios

As criações e edições realizadas pela Supernova Editora
se enquadram na Lei nº 9.610/98 (Lei sobre direitos autorais),
portanto, possuem proteção contra plágios e cópias.
Assim é vedado ao terceiro a reprodução de obra sem prévia autorização,
sendo que a sua utilização sem a concessão enseja reparação civil.