Além do olhar, por Vanessa Larré Arquitetura

Peças de arte autoral e mobília criada sob medida para o afeto entre os membros da família conferem personalidade ao apartamento com vista para uma das paisagens mais exclusivas de Santa Catarina. Cenários intimistas, irreverentes e arrojados aguçam os sentidos e proporcionam diferentes estímulos multissensoriais.

Foto: Fábio Jr. Severo

A liberdade criativa combinada à irreverente e sofisticada paleta de cores escolhida pelos clientes deram o tom conceitual deste apartamento de 322 metros quadrados, virado para o rio de Itajaí, e assinado pela arquiteta e urbanista Vanessa Larré e sua equipe.

Foto: Fábio Jr. Severo

Um verdadeiro quadro em branco que materializou o sonho de qualquer profissional, a proposta para casal de moradores, que apontou a escolha do estilo clássico como o preferido, permitiu a Vanessa escolher nuances contemporâneas industriais para o lar onde vivem também dois cachorros. O resultado deu asas ao seu estilo refinado e espontâneo de criação. A partir dessa carta branca, a arquiteta desenvolveu layouts exclusivos e elegeu os detalhes do décor.

A inspiração para esse projeto surgiu da mistura das particularidades dos clientes e da paisagem do rio Itajaí-Açu, emoldurada pelas grandes janelas do apartamento. Esses fatores determinaram uma paleta de cores sóbrias e a inclusão de materiais nobres, uma mistura de madeira com tons de verde e azul que formou a extensão do visual. Essas texturas imprimiram uma residência intimista permeada pelo amor do casal e pelo afeto aos pets, enquanto as cores marcantes e pontuais aguçaram os sentidos e proporcionaram diferentes estímulos visuais.

A composição reforçou a criatividade da planta, que é repleta de cenários refletindo a alma dos moradores. As condições naturais de incidência de luz e ventilação cruzada são qualidades advindas d edifício de grandes aberturas em vidro, situado à beira do rio. Essa característica apoiou Vanessa Larré tanto na criação do projeto estético dos interiores e na escolha de peças conceito quanto na arquitetura.

Um living cheio de bossa e histórias para contar. A arquiteta escolheu como protagonista a Poltrona Mole em tom verde para destacar o decór. Entre outros destaques está o quadro de Fernanda Valadares “Ponte UK – Foyle”.

Peças marcantes e obras de arte que valorizaram o design nacional compuseram a planta com proposta de integração entre living e cozinha. A paleta sombreada se fundiu a detalhes irreverentes e cheios de vida, a exemplo das poltronas Mole customizadas em veludo verde, de Sergio Rodrigues, bem como o sofá modular assinado pelo designer Jader Almeida. A pedido dos clientes, a madeira também aparece tanto nos revestimentos quanto na estrutura do mobiliário.

O andar baixo proporciona uma relação direta com o entorno externo, trazendo a onipresente paisagem para dentro da composição. Os materiais e tonalidades foram escolhidos com base na beleza, na funcionalidade e na adaptabilidade aos pets, como os pés metálicos da mesa de jantar e o tecido do sofá. A iluminação combinada à automação proporciona diferencial ao projeto quando a ativação de diferentes cenas transforma os ambientes ao entardecer.

Pontos-chave

• Boiseries, cimento queimado, madeira, pedra, vegetações, ferros e pitadas de cor. A cozinha segue nessa composição de estilo único, que flerta com o clássico ao mesmo tempo em que acolhe elementos industriais, criando uma atmosfera refinada e aconchegante.
• A área de refeições recebeu o Dekton Aura e o Dekton Scirocco, que transmitem atemporalidade e auxiliam no visual despojado e, ao mesmo tempo, elegante dos ambientes regados à iluminação natural
• Integrada com a área social do apartamento, o ambiente possui eletrodomésticos embutidos e uma coifa que harmoniza a composição, desenhada especialmente para o projeto.

Foto: Fábio Jr. Severo

A paginação do piso, desenhada em espinha de peixe Dekton, foi o ponto de partida da planta da cozinha, um acabamento atemporal e único, priorizado para atender também às necessidades dos pets da família. Recursos funcionais estão presentes em cada detalhe do projeto, a exemplo da churrasqueira que, a pedido dos clientes, ficou camuflada pela porta de correr no espaço gourmet.

Na suíte máster, as camas e os mobiliários baixos foram exclusivamente projetados para facilitar o acesso dos cachorros, bem como tapetes sintéticos especiais foram escolhidos para melhor manutenção e segurança dos caninos. Com uma roupagem contemporânea, o estilo clássico é levemente resgatado nos boiseries atualizados, junto ao detalhe ripado do painel com a base em mármore.

Detalhando

1. No quarto de hóspedes, a base de tons neutros foi mantida e agregada à paleta esverdeada que invade a parede a partir do teto.

2. Ousadia inspirou o conceito do lavabo, permeado por iluminações lineares com peças metálicas pretas desenhadas especialmente para o pequeno e sofisticado ambiente.

3. As quatro suítes originais foram reformuladas para a inclusão do home office e da aconchegante biblioteca. Paredes e tetos em cimento queimado foram aquecidos pelos detalhes em madeira e completados pelo charme da estante azul clássica.

4. Em espaço híbrido que contempla a paisagem, ao lado da enorme ilha da cozinha foram posicionadas duas poltronas com seus pufes, que formam uma composição perfeita para contemplar a paisagem. A parede verde com a cristaleira translúcida Time, de Jader Almeida, se torna uma extensão do infinito externo. Acabamentos em tons gold dos nichos e puxadores na cozinha valorizam o degradê em cinza formado pela composição de texturas.

5. Integrada com a área social a cozinha conta com boiseries, cimento queimado, madeira, pedra, vegetações, ferros e pitadas de cor. Uma composição única, que flerta com o clássico, ao mesmo tempo que acolhe elementos industriais, criando uma atmosfera refinada e aconchegante.

As criações e edições realizadas pela Supernova Editora
se enquadram na Lei nº 9.610/98 (Lei sobre direitos autorais),
portanto, possuem proteção contra plágios e cópias.
Assim é vedado ao terceiro a reprodução de obra sem prévia autorização,
sendo que a sua utilização sem a concessão enseja reparação civil.