Memória com Paulo Mendes da Rocha

A despedida do mestre da Escola Paulista de Arquitetura.

Casa Butantã, um marco na trajetória de Mendes da Rocha e da arquitetura moderna no Brasil.

Provocativas, a literatura e a filosofia nos fazem encarar a efemeridade da vida. “Nunca somos. Sempre estamos”, diz Chico Buarque no seu quarto romance, “Leite derramado”. Na obra de Gregório de Matos, são inúmeros os versos barrocos que tiram o chão do leitor com as dualidades e as contradições da nossa existência.

O concreto aparente e a linearidade se tornariam símbolos das criações do arquiteto capixaba, que se mudou na juventude para a capital paulista — cenário cativo de suas criações.

Fugazes, tendências vêm e vão, estações passam e, cotidianamente, observamos a destreza da vida em mudar tudo de lugar de uma hora para outra. Nesse contexto, a arquitetura é um dos antídotos do tempo — tanto para as obras quanto para os seus autores, que ficam eternizados em cada traço.

Como um manifesto arquitetônico que propunha novas maneiras de morar, a Casa no Butantã, construída pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha para ele e sua família em 1964, é um marco na relação entre o íntimo e o comum.

A passagem do arquiteto Paulo Mendes da Rocha, em maio, aos 92 anos, é prova disso: seus projetos carregam, a partir de agora, o talento do gênio modernista que marcou a arquitetura brasileira como um criador autêntico, controverso e sem papas na língua.

Foto: Ana Ottoni

Vencedor, em 2006, do Pritzker Prize, considerado o prêmio nobel da arquitetura, Mendes da Rocha explorou a relação entre construção e natureza nas suas criações. Para ele, a “primeira e primordial arquitetura é a geografia”, pensamento que o guiou ao longo dos mais de 60 anos de carreira, em obras como a Casa Butantã — que se tornaria sua própria residência, em São Paulo —, o Cais das Artes, a Pinacoteca de São Paulo e o Museu Brasileiro da Escultura (MuBE), os dois últimos reconhecidos pela fundação Mies van der Rohe em duas premiações. As honrarias não pararam por aí: entre os títulos recebidos de instituições internacionais estão também o Leão de Ouro da Bienal de Veneza e o Prêmio Imperial do Japão.

A Pinacoteca de São Paulo foi fundada em 1905, sendo o museu mais antigo da capital paulista. Em 1998, uma ampla reforma assinada por Mendes da Rocha ressignificou os espaços do edifício, intervenção que resultou em reconhecimento internacional por meio de premiações especializadas. Foto: Pinacoteca de SP/divulgação

A atuação do capixaba deixou um legado para além de suas construções: como professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), a partir de 1961, passou a integrar a “escola paulista”, caracterizada pelo brutalismo do concreto armado. Foi à frente da instituição que colocou em prática sua face de arquiteto-cidadão, quando teve seus direitos cassados, em 1969, durante a Ditadura Militar.

Foto: Eduardo Knapp

O lado humanista de Mendes da Rocha provocaria, ainda, outras polêmicas ao longo dos anos. Para a comunidade arquitetônica, essa ousadia em projetar e expor seus pontos de vista definiu a trajetória do arquiteto e urbanista — e se tornou um dos seus principais patrimônios para a arquitetura brasileira.

Foto: Nelson Kon

As criações e edições realizadas pela Supernova Editora
se enquadram na Lei nº 9.610/98 (Lei sobre direitos autorais),
portanto, possuem proteção contra plágios e cópias.
Assim é vedado ao terceiro a reprodução de obra sem prévia autorização,
sendo que a sua utilização sem a concessão enseja reparação civil.